O crescimento dos aplicativos: os mais acessados e rentáveis do mundo

Você já imaginou a sua vida sem um smartphone? E já pensou como seria a sua rotina se não pudesse contar com os serviços de um aplicativo? Fazer compras, pedir comida, deslocar-se, realizar uma transação bancária, ler livros e notícias, encontrar um endereço, conversar com amigos, compartilhar arquivos, jogar, conferir a previsão do tempo, ouvir música e assistir às séries que você quiser, onde quiser. Ufa! A lista é longa e não para por aqui. O fato é que a resposta certamente será “não”. 

 É inegável que a tecnologia mudou nossa maneira de viver, e os aplicativos, que inicialmente surgiram da necessidade de criar aplicações ou softwares para os smartphones, agora fazem parte da nossa vida. Vieram para facilitar as mais diferentes tarefas do dia a dia que necessitavam de um deslocamento para serem realizadas. 

DISRUPÇÃO, CONVENIÊNCIA E NECESSIDADE

Inovadores e disruptivos, os aplicativos, mais conhecidos como apps, vêm se popularizando desde 2007 e oferecem, cada vez mais, ferramentas para diferentes necessidades. E a pandemia, que causou impacto negativo em diversos setores da economia, provocou uma explosão positiva nesse setor. Depois que começaram a passar mais tempo em casa, as pessoas investiram na aquisição de apps para melhorar a qualidade de vida, do home office e do entretenimento.

Um estudo realizado pela App Annie, plataforma de dados e análise móvel, traz a estatística global de gastos e downloads de aplicativos, realizados no primeiro trimestre de 2021. Somente nesse período, foram US$ 32 bi gastos em compras nos aplicativos iOS e Android, um aumento de 40% em relação ao mesmo período de 2020. 

iOS x ANDROID

Apesar do iOS ter apresentado um gasto maior do consumidor do que o Android (US$ 21 bi contra US$$ 11 bi, respectivamente), ambos cresceram o mesmo percentual, ou seja, 40%.

A principal diferença entre eles está nos tipos de aplicativos que impulsionaram seu crescimento. Enquanto a Apple teve mais impacto com editores de fotos e vídeos, o Google teve forte apelo nas redes sociais.

Quando o assunto é download, há diferença entre as lojas, novamente. Redes sociais, ferramentas utilitárias, finanças, clima e namoro tiveram maior crescimento no Google Play. No iOS, games, finanças, redes sociais, aplicativos de saúde e condicionamento físico ocupam o topo da lista.

ELES SÃO OS MAIORES!

O Tik Tok foi o aplicativo mais baixado no primeiro trimestre deste ano. Na segunda colocação, aparece o Facebook, seguido pelo Instagram, Telegram e WhatsApp.

Quando o assunto é gastos, o YouTube lidera a lista, provavelmente em função de seu plano premium, sem anúncios. Logo depois, vem o Tik Tok e, em terceiro lugar, o aplicativo de namoros Tinder. A surpresa mesmo fica para a quarta e a quinta posição, ocupadas por dois serviços de streaming de vídeos: a Disney+ e a Tencent Video, este, disponível apenas na China.

Mas o quarteto fantástico, que continua reunindo a maior quantidade de usuários em quase todo o mundo, continua liderado pelo Facebook, seguido pelo WhatsApp, Facebook Messenger e Instagram.

OS CARROS-CHEFES SÃO OS JOGOS

Os jogos continuam sendo o principal segmento da indústria de softwares digitais. Somente nos três primeiros meses do ano, os jogadores baixaram cerca de um bilhão de títulos por semana, o equivalente a quase 15% a mais do que em 2020. Esse movimento impulsionou o equivalente a US$ 22 bi de gastos, sendo US$ 13 bi no iOS (aumento de 30%) e US$ 9 bi no Android (aumento de 35%).

Destaque para o Among Us, que teve a maior base de usuários ativos e a segunda maior quantidade de downloads, e para o popular Roblox, com forte apelo infantil.

O QUE VEM POR AÍ

As possibilidades de uso de um app são quase infinitas e os mais diferentes segmentos adotam, cada vez mais, essa ferramenta, pois perceberam que o isolamento trouxe um comportamento que veio para ficar: as pessoas descobriram a conveniência dos aplicativos e agora não querem mais abandonar. E não é só isso, elas esperam ser surpreendidas cada vez mais com infinitas soluções ao alcance de suas mãos. Talvez estejamos vivendo um marco na história da internet, com a pandemia acelerando uma mudança digital que poderia levar muito mais tempo para ocorrer.

E você, já parou pra pensar quanto gastou em apps nos últimos meses? Quais foram as suas principais aquisições? De quais  você depende e como seria a sua vida sem eles? Inimaginável, não é? 

Show CommentsClose Comments

Leave a comment

seis + dezoito =