UX Writing: o que é e sua importância

Volta e meia, surge  uma expressão ou palavra-chave no mercado que toma de assalto as conversas de todos. Muitas vezes, são termos técnicos que abarrotam conversas e reuniões com clientes, o que demonstra a atualização da maioria das pessoas sobre o assunto.

E recentemente um destes termos começou a aparecer nos artigos que leio, o UX Writing.

Acostumado em estudar a experiência do usuário ao usar uma interface ou produto, me interessei logo de cara, pois vi, ali, um dos pilares que estava faltando no universo da experiência.

Para mim, basicamente, o universo do usuário (aquele de utilizar a interface, o produto ou o sistema) era dividido em dois grandes e tradicionais pilares: UX e UI.

Ambos os pilares trabalhavam juntos para definir uma experiência positiva para este usuário através da conclusão de objetivos; utilizar menos tempo para realizar uma tarefa dentro da interface; não apresentar erros ou mensagens enigmáticas e assim por diante; tornando-se, enfim, uma experiência agradável ao usuário.

Quanto maior a experiência positiva do usuário, mais chances dele voltar ao site ou ao produto, utilizando-o mais vezes, criando hábitos ou mesmo virando um embaixador da marca. Ou seja, mega importante para as marcas em si.

A User Experience (UX) nada mais é do que a experiência bruta do usuário, a organização das informações através da diagramação, posicionamento e hierarquia dos elementos da interface, de modo a guiar o usuário dentro a toda informação que queremos que ele consuma.

O UX trabalha junto com a User Interface (UI), na qual definimos o tom, o ritmo do discurso que a marca deve passar a esse usuário, evocando emoções por meio das cores, das imagens, da tipografia e de outros diversos elementos visuais.

Até o momento, temos dois pilares: Um organiza e outro define o tom.

Mas e a mensagem?

E é neste ponto que entra o UX Writing (UXW).

O tal de UX Writing

O UX Writing entra, justamente, para definir qual será o discurso e a conversa a ser realizada com os usuários. O que será dito? Que histórias serão contadas?

Todos os três pilares trabalham juntos, para que os objetivos, tanto das empresas quanto dos usuários, sejam alcançados.

Teoricamente, o UX Writing é a prática de desenhar as palavras que as pessoas veem quando elas interagem com algum software. É sobre desenhar a conversa entre o produto e o seu usuário.

Já na prática, podemos entender que é comunicar-se eficientemente com o usuário, de maneira que ele entenda o que o produto está dizendo e consiga ter uma experiência positiva.

Teoria da comunicação

Vamos dar um mergulho mais profundo neste ponto de mensagem e receptor, na teoria básica de comunicação.

Toda comunicação ocorre, basicamente, entre dois pontos: O emissor e o receptor por meio de um canal. Estes dois pontos irão trocar mensagens codificadas (conforme o código comum entre eles, por exemplo, o idioma). Se houver qualquer problema no código da mensagem, ela poderá ser interpretada de forma errônea ou mesmo não ser interpretada.

Em resumo: temos que falar o mesmo idioma do usuário.

A dúvida comum

Até aqui você deve estar se perguntando: “Ok, lindo isso… mas não é a mesma coisa que redação publicitária?” Sim. E não.

Sobre o ponto de vista do texto, sim, pode ser visto como um trabalho de redação, afinal, estamos escrevendo uma mensagem.
Mas o pulo do gato desta pergunta é: como a mensagem é montada?

Veja que, tradicionalmente, a redação publicitária está focada em contar uma história – o famoso storytelling -, orientando o seu discurso para a venda e utilizando palavras atraentes para conquistar os consumidores. E não está errado. Isto deve ser feito.

Mas nem sempre há espaço para isto. Literalmente.

Por se tratar de internet, a comunicação precisa ser realizada de forma ágil e eficiente. O usuário precisa, antes de tudo, conhecer o que fazer na interface e é, aí, que o UX Writing aparece com seu brilho mágico.

No UX Writing a escrita é orientada conforme o produto ou o sistema, compartilhando conversas de forma simples e direta.

Ao meu ver, o redator possui “plugins” instalados na sua cabeça e o UX Writing é mais um deles a ser utilizado – como a redação publicitária – para montar um texto, orientado a um sistema ou produto.

Por exemplo, uma chamada de texto para que o usuário preencha um formulário de cadastro. Ao invés de mostrar que o site é magnífico tecnicamente ou mesmo de utilizar um idioma que não seja nativo do usuário, podemos ser diretos no discurso, convidando ao cadastro e informando os benefícios:

Ou ainda: informando um simples erro. Em invés de apresentar um discurso extremamente técnico, afinal nem todos entendem a linguagem de programação, ou um discurso próprio da marca, devemos informar qual foi o erro e como o usuário pode contorná-lo.

No final de tudo, estamos criando o idioma do nosso produto para que os usuários nos entendam e assim consigam realizar seus os objetivos (os deles e os de negócios).

Quanto mais compreensível o idioma, melhor a experiência do usuário.

Show CommentsClose Comments

Leave a comment

dez + 15 =