Itens de análise importantes em qualquer auditoria de SEO

Nesses mais de dez anos trabalhando com SEO eu me deparei com diversos itens a serem testados em análises. A busca orgânica mudou muito. Tivemos atualizações no algoritmo do Google, novas formas de trabalhar a otimização de sites, mudanças em algumas boas práticas, “técnicas de SEO”, entre outras coisas que aconteceram no mercado.

Todo o ambiente de mudança sempre estimulou o analista a se atualizar e seguir uma linha de trabalho baseada em: link building, qualidade (o meu caso) ou com foco total em conteúdo. 

O que se provou mais eficiente foi o trabalho multidisciplinar e que o equilíbrio é o verdadeiro gerador do sucesso. Tudo sempre iniciava com uma auditoria de SEO (como eu sempre gostei de chamar). 

Na auditoria inicial, você analisava o site considerando as premissas básicas de SEO, se tinha um bom conteúdo, se a parte técnica do site era boa, se usava as tags corretamente, entre outros itens que precisavam ser inspecionados. Não se tratava de um conjunto de técnicas, mas daquilo que nós entendíamos que o Google valorizava como boa prática e que era necessário para aquele site aparecer nas primeiras posições. Depois disso, essa auditoria era entregue aos responsáveis, para que os itens fossem executados e após  algum tempo os primeiros resultados começassem a aparecer.

O que é uma auditoria de SEO?

Segundo a Wikipédia uma auditoria é:

“[…] um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa, cujo objetivo é averiguar se elas estão de acordo com as planejadas e/ou estabelecidas previamente, se foram implementadas com eficácia e adequadas (em conformidade) à consecução dos objetivos”.

No mundo empresarial, sempre mencionamos o verbo auditar para esse sentido da citação. 

Tomando por princípio que a otimização de sites já é um conceito amplamente divulgado, que muitos profissionais que participam da elaboração de um site já conhecem, podemos entender que uma auditoria de SEO é (fazendo uma adaptação do conceito da Wikipédia) um exame cuidadoso das atividades de SEO em um site de uma empresa, para averiguar se estão de acordo com as boas práticas planejadas ou conhecidas.

Por que ela é importante? Porque vai garantir que o seu site terá os itens básicos de qualidade para que esteja apto a fornecer uma experiência incrível aos usuários e consequentemente vai se posicionar por palavras-chave importantes nos sites de busca.

Quais os itens que não devem faltar

Há uma série de itens que precisam estar (frequentemente) presentes em qualquer auditoria de SEO (titles, meta descriptions, sitemaps, robots, instruções sobre protocolos, etc), mas além deles há alguns que às vezes são marginalizados e esquecidos, que na minha visão, devem fazer parte de qualquer inspeção:

LCP

A velocidade do site, na minha opinião é um dos itens mais importantes em uma auditoria de SEO e um dos itens que devem ser avaliados, quando se trata desse assunto é a LCP.

Trata-se da sigla para Largest Contentful Paint (maior exibição de conteúdo), onde podemos entender qual o tempo necessário para que o navegador consiga renderizar o maior elemento da página, como uma imagem, por exemplo. O que este indicador busca é ajudar a avaliar o quanto uma página demora para ficar pronta, sendo a medida ideal até 2.5 segundos, para a mais rápida.

Segundo Philip Walton métricas antigas como “Load” ou “DOMContentLoaded” não são boas, pois não necessariamente correspondem à experiência que o usuário terá na sua tela. Já com o LCP, você poderá testar uma página e ter uma medida mais aproximada da sua velocidade real na tela do usuário. Essa métrica faz parte do Core Web Vitals, projeto que tem como objetivo ajudar a quantificar a experiência em um site e encontrar oportunidades de melhorias.

Sendo assim, otimize o seu servidor para responder de forma adequada às requisições que recebe, faça testes com Time to First Byte, use CDNs, aproveite recursos de cache/server e otimize as suas imagens e códigos.

Para testar o LCP de uma página, recomendo sempre o bom e velho webpagetest.org

Mobile friendly

Acessos oriundos de dispositivos móveis em muitos sites, já ultrapassa mais de 60% e isso por um motivo muito simples: as pessoas gastam muito tempo nos celulares. Ter um site responsivo, por exemplo, não basta, é necessário que ele seja mobile friendly em todas as suas funcionalidades. 

Aplique o mobile first na sua análise de SEO, configure as suas ferramentas de apoio (afinal, ninguém mais está em 2010, onde boa parte de toda pesquisa de SEO era manual) e faça os seus robôs se comportarem simulando uma experiência mobile. Isso vai ajudar para que você tenha insights importantes. Pense em todo o SEO já incluindo uma experiência mobile. 

Das ferramentas gratuitas eu sempre gosto de indicar o Mobile Friendly Test e o Google Search Console (GSC), ambos do próprio Google.

Perceba na imagem acima, informações importantes sobre navegação com dispositivos móveis no Google Search Console.

Aliás, o GSC, deve ser uma ferramenta de uso frequente em qualquer site a qualquer momento. Você pode usar os seus recursos para realizar outras análises e melhorar ainda mais as suas análises. Não esqueça de configurar a integração dele com o Google Analytics e Google Ads (ferramenta de links patrocinados).

Análise de Reputação (links tóxicos)

Muitos se importam excessivamente em adquirir links quando, na verdade, em alguns sites você precisa negar os seus links. Sim, isso mesmo. Às vezes, os links que um site tem para si, oriundos de domínios com uma reputação duvidosa, spam, entre outros casos, podem ser mais prejudiciais para a sua estratégia de SEO do que se imagina. 

Na minha carreira vi casos, onde alguns dos sites precisavam de um “detox” quando se tratava do seu portfólio de links. Para esse tipo de análise um tipo de ferramenta que eu gosto muito é o “Backlink Audit” do SemRush, pois ele vai fazer uma varredura nos links que apontam para o seu site e dar informações sobre os links que estão prejudicando seu site.

Análise de Acessibilidade

Uma disciplina ainda muito marginalizada, mas muito necessária. Pense que pessoas com necessidades especiais também navegam na Internet e podem querer utilizar os mesmos sites que eu e você usamos. 

O Google vem dando cada vez mais atenção para a usabilidade e o mesmo deve acontecer para a acessibilidade, levando em consideração que se trata de um mecanismo de busca plural, que visa entregar uma experiência adequada aos seus usuários, será um fator cada vez mais importante. 

Sobre o assunto acessibilidade, não recomendo nenhuma ferramenta, mas que você conheça pessoas com necessidades especiais e veja como elas navegam pelos sites. Se o mecanismo quer chegar o mais perto possível da cognição humana, nada melhor que se aproximar de pessoas de verdade para entender como poder sugerir sites melhores e mais acessíveis aos seus clientes.

Resumi alguns dos itens que na minha opinião, independente do estado do site, não podem faltar em uma auditoria de SEO. E você? Na sua opinião, além dos itens básicos, quais não podem faltar?

Show CommentsClose Comments

Leave a comment

dezoito − 7 =